arte
Carta aos Leitores
Esta edição da “Conexão Abraceel” já estava pronta, quando veio a notícia dando conta que o desembargador Kássio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, tomou a decisão de restabelecer a liminar da Abraceel na ação judicial que a associação move contra efeitos gerados pela Resolução nº 3 do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).
(leia mais)
Portaria 455 é a principal prioridade para 2014
Depois de intenso debate, as empresas associadas da Abraceel definiram como principal prioridade para o trabalho da Diretoria-Executiva o combate à Portaria 455 do MME.
(leia mais)
Associados aprovam trabalho da Abraceel
Uma pesquisa de opinião feita com as associadas, como suporte ao trabalho do Planejamento Estratégico, indicou que 84% das empresas vinculadas à Abraceel aprovam as atividades desenvolvidas pela associação, contra 69% em 2012 e 72% em 2011. (leia mais)
Associação faz contribuição para AP 067
A Abraceel enviou à Aneel, em 21 de fevereiro, a contribuição ao processo de audiência pública 067/2013, que aprimora as garantias financeiras associadas à liquidação financeira do mercado de curto prazo. (leia mais)
Abraceel discute 455 com diretores da Aneel
Ao longo do mês de fevereiro, os dirigentes da Abraceel se reuniram com os diretores da Aneel, com os quais discutiram a agenda atual do mercado de energia elétrica, em especial a Portaria 455 do MME. (leia mais)
Fórum GN encaminha proposta ao MME
O Fórum das Associações Empresariais Pró-Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural encaminhou, em 21 de fevereiro, contribuição à proposta que visa a subsidiar a elaboração do Plano Decenal de Expansão da Malha de Transporte Dutoviário (Pemat), ciclo 2013/2022. (leia mais)
Conselho aceita novos associados: Matrix e D´Energy
A Abraceel voltou a contar com 64 associados. Na reunião presencial realizada em São Paulo, em 12 de fevereiro, o Conselho de Administração aprovou os pedidos de filiação formulados por duas comercializadoras: a Matrix e a D´energy. (leia mais)

Carta aos Leitores

Brasília, DF, 28 de fevereiro de 2014.

Prezado Leitor,

Esta edição da “Conexão Abraceel” já estava pronta, quando veio a notícia dando conta que o desembargador Kássio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, tomou a decisão de restabelecer a liminar da Abraceel na ação judicial que a associação move contra efeitos gerados pela Resolução nº 3 do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

É uma decisão que sem dúvida nos deixa muito satisfeitos, pois a Justiça está sendo feita. Entretanto, vale explicar que a judicialização é a última instância a que recorremos para manter nossa sobrevivência quando não existe outro caminho através do qual possamos preservar os direitos das empresas associadas diante de decisões desencontradas tomadas pelas autoridades do setor elétrico. Aliás, é possível que em breve tenhamos que ingressar na Justiça com outra ação, desta vez para barrar a aplicação da Portaria 455 do MME.

Uma das razões que explicam resultados positivos alcançados pela Abraceel é a atribuição de metas à Diretoria-Executiva, pelos próprios associados, o que ocorre na reunião anual do Planejamento Estratégico. Na última reunião, realizada em 13 de fevereiro passado, os associados fixaram as metas para o atual exercício e definiram a Portaria 455 como objetivo principal do nosso trabalho ao longo de 2014. Não foi difícil chegar a essa conclusão, praticamente unânime entre os nossos associados.

A 455 nos preocupa bastante, não apenas pelos controversos aspectos jurídicos que a embasaram, mas, sobretudo, pela burocracia, aumento de custos e pela insegurança jurídica que dela resultam. No nosso planejamento, concluímos que a Portaria 455 é preocupante para a absoluta maioria das empresas associadas e por isso a Abraceel continuará se esforçando, em primeiro lugar junto às autoridades do setor elétrico, para tentar sensibilizá-las sobre os impactos lesivos aos consumidores e agentes do mercado livre de energia.

A nossa associação busca constantemente o aperfeiçoar o seu trabalho. Por este motivo, foi com orgulho e satisfação que uma pesquisa de opinião feita entre as empresas associadas, com vistas ao Planejamento Estratégico, mostrou que houve 84% de aprovação geral dos trabalhos da Diretoria-Executiva no ano de 2013. Como todos sabem, não foi um período considerado fácil para o setor de energia. A associação se deparou com inúmeros desafios, diante da constante intervenção por parte do governo nas regras do setor. Não conseguimos conquistar tudo o que desejávamos, mas, de todo modo, os associados souberam reconhecer os esforços feitos pelo conjunto da Abraceel e valorizaram o nosso trabalho.

Diante deste quadro, no período de 2013, os itens da pesquisa de satisfação melhor avaliados pelas empresas associadas foram em relação à consistência técnica dos trabalhos da associação, a imagem da Abraceel na empresa, bem como a capacidade da diretoria em responder aos problemas do setor. É verdade que, durante este período de fortes tensões, a diretoria tem batalhado para que o mercado de energia continue sendo um ambiente saudável. Ter o reconhecimento por parte dos associados é motivo de muita honra para a Abraceel.

Nesse contexto, como mostra esta newsletter com mais detalhes, enviamos uma contribuição à Aneel, em 21 de fevereiro, para a segunda fase do processo de audiência pública 067/2013, que aprimora as garantias financeiras associadas à liquidação financeira do mercado de curto prazo. O assunto foi discutido profundamente dentro do Grupo Técnico da associação e na própria Aneel. A Abraceel tem defendido a efetiva segurança do modelo, sendo favorável à adoção do conceito de limite operacional para a atuação no mercado de energia elétrica, de modo que os agentes possuam garantias aportadas antes do início do mês a ser contabilizada pela CCEE. Temos esperança que, no âmbito da agência, surgirá uma solução que contemple os interesses dos segmentos envolvidos, implementando um sistema moderno e eficiente de garantias financeiras.

Faz-se necessário observar que a constante interferência no setor de energia exige atenção redobrada. O Brasil atravessa um período crítico de abastecimento de energia, devido ao baixo nível dos reservatórios, o que exige do governo soluções práticas, e não somente políticas. O que não pode surgir, entretanto, são as soluções aparentemente mágicas que apenas aproveitam o momento de crise para encaixar propostas de nítido viés ideológico e anti-mercado, como se não fossem suficientes todas as restrições hoje já existentes e que dificultam o desenvolvimento do mercado de energia elétrica no Brasil.

A Abraceel está sempre à disposição de todos que queiram contribuir para a manutenção de um setor elétrico seguro e transparente, que trabalhe efetivamente a favor dos consumidores. Espero que os leitores apreciem este número. Caso queiram conhecer mais sobre a nossa associação e o que fazemos, solicito entrar em contato com a Diretoria-Executiva, através do e-mail abraceel@abraceel.com.br ou pelo telefone 61.3223.0081.

Reginaldo Almeida de Medeiros
Presidente executivo da Abraceel
www.abraceel.com.br

    » voltar para o topo

Portaria 455 é a principal prioridade para 2014

Depois de intenso debate, as empresas associadas da Abraceel definiram como principal prioridade para o trabalho da Diretoria-Executiva o combate à Portaria 455 do MME. A decisão foi tomada na reunião anual de Planejamento Estratégico, realizada em 13 de fevereiro, em São Paulo, com 55 participantes, inclusive os representantes de 39 empresas associadas. A dinâmica de grupo foi conduzida pelo consultor Hipa Stoffel, da Indextech, enquanto os consultores Antônio Farinha e Vinicius Torres, da Roland Berger, apresentaram o cenário regulatório nacional e internacional para o mercado livre de energia elétrica.

As metas atribuídas à Diretoria, para o período 2014/2015 são as seguintes:

• Revogação da Portaria 455;
• O mercado livre como elemento de expansão da oferta de energia;
• Cotas para os consumidores livres e especiais;
• Estruturação do mercado – uma agenda positiva para o mercado livre.

A associação continuará trabalhando de olho nos desdobramentos da Resolução CNPE 03, mesmo após o restabelecimento da liminar pelo TRF, e na consolidação das etapas dois e três fixadas pela Aneel em relação ao novo sistema de garantias financeiras no mercado de curto prazo.

    » voltar para o topo

Associados aprovam trabalho da Abraceel

Uma pesquisa de opinião feita com as associadas, como suporte ao trabalho do Planejamento Estratégico, indicou que 84% das empresas vinculadas à Abraceel aprovam as atividades desenvolvidas pela associação, contra 69% em 2012 e 72% em 2011.

Vinte e três empresas encaminharam as suas opiniões diretamente ao consultor Fernando Vitorino, da empresa de auditoria independente Múltipla, o que estatisticamente é razoável, considerando o total de empresas vinculadas: 62 no momento da pesquisa. O auditor consolidou os dados e disponibilizou para a Diretoria-Executiva, descaracterizando os nomes dos remetentes, de modo que os associados ficassem inteiramente à vontade no momento de se manifestar a respeito da Abraceel.

Na pesquisa, as empresas se manifestaram sobre as seguintes questões: 1. Atuação da Abraceel em 2013, comparativamente aos últimos anos; 2. Resultados obtidos pela Abraceel em 2013; 3. Imagem da Abraceel na empresa; 4. Avaliação quanto à transparência e isonomia; 5. Consistência técnica dos trabalhos realizados pela Abraceel; 6. Organização dos processos internos; 7. Avaliação sobre o relatório semanal (nível de qualidade e utilidade das informações transmitidas); 8. Capacidade da diretoria em responder aos problemas do setor; 9. processo de Planejamento Estratégico da Abraceel (formato da reunião, produtos, metas estabelecidas).

A imagem da Abraceel dentro das empresas é bastante favorável, com 96% de respostas positivas. No mesmo patamar ficaram as respostas referentes à consistência técnica dos trabalhos da associação. A organização dos processos internos e a capacidade da diretoria em oferecer respostas foram avaliados positivamente em 91%. O relatório semanal também mereceu uma avaliação bastante favorável, com 87% de respostas positivas.

   » voltar para o topo

Associação faz contribuição para AP 067

A Abraceel enviou à Aneel, em 21 de fevereiro, a contribuição ao processo de audiência pública 067/2013, que aprimora as garantias financeiras associadas à liquidação financeira do mercado de curto prazo.

O assunto foi exaustivamente discutido dentro da associação, que é favorável ao aprimoramento do modelo atual de garantias financeiras com a adoção do conceito de limite operacional para a atuação no mercado de energia elétrica, de modo que os agentes possuam garantias aportadas antes do início do mês a ser contabilizado pela CCEE.

No entendimento da Abraceel, é necessário que a nova regulamentação observe um período de adaptação ao mercado após a publicação da resolução normativa pela Aneel e que, após esse período, seja previsto nas regras o tratamento para as exceções, principalmente em relação às empresas públicas e de economia mista e aos agentes com comprovada dificuldade na aprovação de limite de crédito junto às institucionais financeiras cadastradas.

A associação, representada pelo diretor técnico Alexandre Lopes, já havia exposto esta visão sobre o novo modelo na sessão presencial da segunda fase da Audiência Pública 067/2103, em 12 de fevereiro, na Aneel. A reunião durou cerca de duas horas e contou com as presenças de agentes e associações dos diversos segmentos do setor e consumidores livres.

De modo geral, os participantes da sessão presencial da AP 067 apresentaram entendimento similar ao da Abraceel e também destacaram a evolução promovida pela Resolução normativa 531/12, que introduziu a bilateralização do risco nas operações e o trabalho de monitoramento de mercado realizado pela CCEE, que foram medidas muito positivas e já reduziram o risco de inadimplência.

   » voltar para o topo

Abraceel discute 455 com diretores da Aneel

Ao longo do mês de fevereiro, os dirigentes da Abraceel se reuniram com os diretores da Aneel, com os quais discutiram a agenda atual do mercado de energia elétrica, em especial a Portaria 455 do MME.

O presidente do Conselho de Administração da Abraceel, Oderval Duarte, e o presidente executivo, Reginaldo Medeiros, foram recebidos, em 07 de fevereiro, pelo diretor-geral da agência, Romeu Rufino, em reunião que contou ainda com a equipe técnica da Superintendência de Estudo de Mercado (SEM).

Abrindo a conversa com o diretor Romeu, Oderval Duarte parabenizou a Aneel, em particular a SEM, pela postura independente na análise das questões regulatórias que envolvem o mercado livre de energia. Enfatizou também que a Abraceel dará todo apoio à postura serena e pró-ativa na emissão de regulamentos setoriais.

Sobre a Portaria 455, a Abraceel voltou a enfatizar os argumentos contrários à implantação da medida, conforme manifestado com competência pela área técnica e a Procuradoria Federal da Aneel. Romeu relatou que a Agência tem se debruçado sobre o tema e espera encontrar uma solução consistente que traga conforto para os todos os agentes.

No dia anterior, os diretores Reginaldo e Alexandre Lopes (da área técnica), além do conselheiro Paulo Cezar Coelho Tavares, se reuniram com o diretor André Pepitone e o consultor Christiano Vieira, quando o foco da reunião foi a regulamentação da Portaria 455 do MME.

Os entendimentos com a agência tiveram continuidade, em 14 de fevereiro, quando o conselheiro Paulo Cezar Coelho Tavarez e Reginaldo Medeiros também foram recebidos pelo novo diretor da Aneel, Reive Barros, e pelo assessor Carlos Marcel. Além do tema “Portaria 455”, nesse dia a pauta incluiu a revisão da regulamentação da contratação de energia de reserva de que trata o Decreto nº 6.353/2008.

Finalmente, no dia 26 de fevereiro, os conselheiros Oderval Duarte e Walter Fróes e o diretor Maurício Corrêa voltaram à Aneel, onde conversaram com os assessores técnicos Haldane Lima e Luís Henrique Bassi. A reunião girou em torno da Portaria 455, que é uma das principais preocupações da Abraceel, no momento, devido à insegurança jurídica que gera para o mercado.

   » voltar para o topo

Fórum GN encaminha proposta ao MME

O Fórum das Associações Empresariais Pró-Desenvolvimento do Mercado de Gás Natural encaminhou, em 21 de fevereiro, contribuição à proposta que visa a subsidiar a elaboração do Plano Decenal de Expansão da Malha de Transporte Dutoviário (Pemat), ciclo 2013/2022. A Consulta Pública foi aberta pelo MME, onde, na mesma data, Reginaldo Medeiros representou o Fórum, como coordenador, no seminário técnico que discutiu o tema.

O resultado da contribuição surgiu através de um conjunto de ações promovidas pela entidade ao longo deste mês: uma delas foi a reunião do Fórum em Brasília, no dia 05 de fevereiro. O objetivo foi consolidar as diversas manifestações, em relação ao Plano, das entidades que compõem o Fórum. Além disso, o grupo avançou no documento que encaminhará aos candidatos à Presidência da República tão logo sejam definidos os nomes após as convenções partidárias.

Outra atuação do Fórum foi escutar as considerações de congressistas em debate promovido em conjunto com a Frente Parlamentar Pró-Gás Natural, na Câmara dos Deputados, em 12 de fevereiro. Vários parlamentares de partidos diversos compareceram ao encontro, inclusive a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM). Além de Reginaldo Medeiros, então coordenador do Fórum do Gás, integraram a mesa os deputados Arnaldo Jardim (PPS/SP), Mendes Thame (PSDB/SP), Vanderlei Siraque (PT/SP) e representantes do MME, da ANP, e Luís Fernando Quilici, da Aspacer. Os argumentos manifestados na ocasião foram levados em consideração para enriquecer a contribuição sobre o Pemat encaminhada ao MME em 21 de fevereiro.

Embora o Fórum GN reconheça o esforço do Ministério na elaboração de uma minuta e da consequente abertura de processo de consulta pública, visando a incorporar as opiniões dos agentes econômicos, o fato concreto é que é necessário avançar muito, ainda, em relação ao planejamento setorial do gás natural. No entendimento do Fórum GN, a minuta disponibilizada na consulta pública necessita de aperfeiçoamentos.

Na mesma data em que foi enviada a contribuição (21 de fevereiro), as associações integrantes do Fórum definiram que Paulo Pedrosa, presidente executivo da Abrace, será o novo coordenador do grupo nos próximos 12 meses, depois de dois anos sob comando de Reginaldo Medeiros.

O Fórum foi criado no início de 2012, sob inspiração da Abraceel, que desenvolveu a ideia e a submeteu a várias associações empresariais que se interessam pelo mercado de gás natural. Tomada a decisão de organizar o grupo, Reginaldo foi indicado por unanimidade para coordenar o Fórum no primeiro ano de atividade.

No início de 2013, as associações entenderam que seria oportuno manter o presidente executivo da Abraceel na coordenação do Fórum GN por mais um período de 12 meses, que venceu agora. O Fórum GN é integrado, além da Abraceel e da Abrace, pelas seguintes associações: Apine, Abiape, Anace, Abraget, CogenRio, Firjan, Aspacer, Anfacer, Abiquim, Abividro, Abegás e ABGNC.

“O nosso Fórum GN é uma iniciativa de sucesso. Devagar (muito mais devagar, aliás, do que gostaríamos) está sendo criado o mercado de gás natural no Brasil e nós nos orgulhamos muito por contribuir para a construção desse projeto. Com apoio das demais associações, o Fórum tem feito um magnífico trabalho, no sentido de ocupar espaços na mídia e cutucar as várias áreas da administração pública, visando a abrir para o gás natural o espaço que o insumo merece na nossa economia”, disse Reginaldo, frisando que Paulo Pedrosa --- ex-presidente executivo da Abraceel --- “tem plena capacidade e competência para tocar o Fórum GN”.

   » voltar para o topo

Conselho aceita novos associados: Matrix e D´Energy

A Abraceel voltou a contar com 64 associados. Na reunião presencial realizada em São Paulo, em 12 de fevereiro, o Conselho de Administração aprovou os pedidos de filiação formulados por duas comercializadoras: a Matrix e a D´energy.

Criada no final de 2013, a Matrix Energy Trading começou a operar há poucas semanas, depois de receber a autorização da CCEE. À frente da empresa estão Claudio Monteiro e José Amorim, que historicamente já se vinculam à Abraceel há vários anos. Amorim --- ex-conselheiro da associação --- está na Abraceel desde quando ainda atuava na também associada Duke Energy.

Depois, ele e Claudio constituíram a comercializadora Coomex, que também se filiou à Abraceel. Ambos continuaram vinculados à associação quando o BTG Pactual incorporou a Coomex. Ao se desligarem do BTG, Amorim e Claudio constituíram a Matrix.

Quanto à D`Energy, trata-se de uma empresa pertencente ao Grupo Encalso-Damha, que atua há mais de 50 anos nas áreas de construção civil pesada, urbanização, concessões rodoviárias, shopping center, agronegócios , geração e comercialização de Energia, com atividades em vários estados.

O diretor da área de Energia é Marcel Haratz, graduado em Administração de Empresas pela PUC-Rio. Ele está no mercado de Energia desde 2006, quando fundou a EscoPower, empresa de consultoria de geração e eficiência energética. Após cinco anos, assumiu a Gerência de PCHs na Voltália do Brasil e, no ano passado, foi convidado a ocupar a posição atual no Grupo Encalso.

Leilane Sabatini é a gerente de comercialização da D`Energy. Graduada em Administração de Empresas com ênfase em comércio exterior, pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, atua há sete anos no segmento de comercialização de energia elétrica, com uma breve passagem pelo mercado financeiro. Ocupou posições em importantes empresas do setor elétrico e financeiro, tais como as associadas NC Energia, Delta e EDP, além do Itaú Unibanco.

EM DIA:

• Em fevereiro, a associação foi demandada inúmeras vezes pela mídia, para se posicionar a respeito do momento atual do setor elétrico brasileiro. Foram muitas as entrevistas concedidas por Reginaldo Medeiros para rádios, televisões, jornais e sites. Entre outras matérias, citamos a publicada em 12 de fevereiro, “O custo da falta de concorrência”, que abriu o caderno de economia do jornal “O Globo” e inclusive mereceu espaço na primeira página do jornal. Também merecem destaque a entrevista concedida a Miriam Leitão, da GloboNews, em 27 de fevereiro, e a participação no programa “Expressão Nacional”, da TV Câmara, em 18 de fevereiro.

• O representante oficial da associada Tractebel, Marcos Keller Amboni, retornou ao Conselho de Administração da Abraceel, em 12 de fevereiro, face à carta de renúncia encaminhada em 30 de janeiro pelo conselheiro Marco Antônio Oliveira de Siqueira. Engenheiro eletricista formado pela Universidade de Santa Catarina, com mestrado em Engenharia Elétrica pela mesma instituição e MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, Keller trabalhou no ONS e está na Tractebel desde 2004, onde, desde o final de 2011, é superintendente de Assuntos Regulatórios e de Mercado. Foi eleito para o Conselho de Administração da Abraceel, na primeira vez, em 2011.

• O jornal “Correio Braziliense” publicou, em 31 de janeiro, o artigo assinado por Reginaldo Medeiros “A energia precisa ser livre”, no qual o presidente executivo da Abraceel assinala que “o mercado livre recebeu uma ducha fria: a Portaria nº 455, que elimina o registro mensal de contratos (denominado ex-post) e revela uma estratégia aparentemente contraditória das autoridades sobre a redução do preço da energia no Brasil. O registro ex-post permite às indústrias ajustarem seus contratos ao consumo real. Ao eliminá-lo, criaram-se riscos desnecessários ao mercado e ineficiências de contratação que vão redundar só em custos burocráticos e aumento de preços aos consumidores industriais do mercado livre”.

• A economista Fabiane Fernandes Hanones começou a trabalhar na Abraceel, em 24 de fevereiro, na condição de contratada, na vaga de assistente técnico. Com 24 anos de idade e formada pela Universidade de Brasília, em 2012, Fabiane foi escolhida depois de entrevistas com outros dois candidatos. Além dela, a Abraceel está admitindo dois estagiários. Ângela Batista de Oliveira, 20 anos, estudante do 7º semestre de Ciência Política da UnB, que foi selecionada para a área de Relações Institucionais. Para a área técnica foi escolhido o estudante de Engenharia de Energia da Universidade de Brasília, João Ferreira Barreto, com a expectativa de se formar no 1º semestre de 2015.

• A SR Consultores, de Brasília, contratada para representar a Abraceel junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) no processo de registro da marca e da logomarca, enviou correspondência à Diretoria-Executiva, em 06 de fevereiro, informando que a “Revista de Propriedade Industrial – RPI”, publicação oficial do INPI, publicou o despacho que concede à associação o registro do nome e da logomarca pelo prazo de 10 anos, com vigência até 2024.

• O diretor Maurício Corrêa representou a Abraceel em duas reuniões presenciais do Fórum das Associações do Setor Elétrico (Fase): uma realizada em 07 de fevereiro, na sede da Abiape, em Brasília, e a outra na sede da Cogen, em São Paulo, no dia 27 de fevereiro. Em ambas as reuniões, foi feito um amplo diagnóstico a respeito do momento atual da área de energia elétrica, com foco nas dificuldades encontradas na geração térmica, questões hidrológicas e subsídio do Tesouro Nacional às concessionárias de distribuição. A Abraceel deixou registrado que, além das questões técnicas que envolvem o momento atual, tem sido dada uma sinalização de preço equivocada ao consumidor cativo, o que provoca o aumento do consumo quando há falta de energia.

• A Abraceel, representada pelo presidente executivo Reginaldo Medeiros e pela assessora de Relações Institucionais, Camila Almeida, se reuniu, em 18 de fevereiro, com o 2º Secretário da Câmara dos Deputados, Simão Sessim (PP/RJ). O objetivo do encontro foi levar ao conhecimento do parlamentar as principais preocupações do setor de energia, principalmente em relação ao mercado livre, onde 60% do PIB industrial adquire energia. Além de falar sobre a falta de isonomia que o ACL vem sofrendo desde a publicação da Medida Provisória 579, com a qual os consumidores desse mercado não foram beneficiados com o desconto proposto pelo governo, Reginaldo Medeiros também levou a preocupação em relação à Portaria 455, do MME. Ao ouvir que tal medida aumentará em 5% o custo de energia para os grandes consumidores do mercado livre, o deputado se sensibilizou e se comprometeu em interceder, junto ao governo, para reverter esse quadro preocupante.

Associe-se à ABRACEEL

Como outras organizações empresariais, a Abraceel se esforça para atender às necessidades de seus associados nos campos institucional, técnico e político. No entanto, ao contrário de outras associações, a Abraceel também se caracteriza como um promissor ambiente de negócios, onde as empresas se conhecem e fecham contratos entre si.

A associação dispõe de um grupo técnico extremamente atuante, cujo foco está permanentemente direcionado para os aspectos regulatórios que impactam o ambiente de comercialização. Nas sextas-feiras, a Diretoria-Executiva encaminha aos associados, com exclusividade, uma newsletter eletrônica, contendo uma análise de decisões do governo e do regulador bem como um relato sobre as atividades desenvolvidas ao longo da semana e as perspectivas para a próxima.

A governança da Abraceel é bastante moderna. As empresas associadas não sofrem discriminação, do ponto de vista estatutário, e todas pagam o mesmo valor de mensalidade, com direitos iguais nas assembléias, independentemente do porte. As empresas associadas indicam os seus representantes oficiais, os quais, na assembléia geral, elegem por voto direto e secreto os oito conselheiros (o mais votado é indicado automaticamente para a Presidência do Conselho). Cabe aos conselheiros contratar e avaliar a performance dos integrantes da Diretoria-Executiva.

Embora originalmente tenha sido constituída como uma associação de comercializadores de energia elétrica autorizados a funcionar pela Aneel, a Abraceel, hoje, está aberta à filiação de comercializadores de energia em geral: não apenas de energia elétrica, mas, também, de gás natural, etanol e créditos de carbono, inclusive agentes de geração. Caso a sua empresa queira conhecer mais a Abraceel ou queira se filiar, entre em contato com a Diretoria-Executiva, através do e-mail abraceel@abraceel.com.br ou então do telefone 61.3223.0081.

    » voltar para o topo

rodape